Como será o seu 2018?

2018 está aí… Quais foram as suas promessas e desejos para este novo ano? Você se lembra de como gostaria que 2017 fosse?
Sim? Conseguiu concretizar todos os seus planos?
Não? O que lhe fez abandonar os seus anseios?

Sabemos que, no Brasil, o ano começa mesmo depois do Carnaval! Que tal usar os meses de janeiro e fevereiro para fazer uma reflexão da sua vida e projetar o seu 2018 com foco e determinação?

Segundo Walt Disney, “se você pode sonhar, significa que pode fazer”. A frase é inspiradora, mas não diz como fazer isso. O sonho sempre estará no campo das ideias e da imaginação. Como então colocá-los em prática, fazer acontecer? A maioria das pessoas precisa de um suporte, alguém que os ajude a manter o foco nos seus objetivos e atingir metas reais.

O coach Gilmar Carneiro explica que a diferença entre sonho e objetivos pode estar na reflexão, pensamento e planejamento sobre aquilo que desejamos alcançar. Carneiro cita o pesquisador americano Shaw Achor: assumir as rédeas do comando da vida nos leva a experimentar nosso potencial e desenvolver uma atitude mental positiva.

As pessoas frequentemente estão lidando com o conflito entre razão e emoção, ou seja, pensando uma coisa, sentindo outra e agindo totalmente diferente. Essa briga entre sentimentos, pensamentos e ações consome muita energia, causando estresse e desgaste emocional. Ou seja, em meio aos caos cotidiano, como manter diariamente essa atitude mental positiva?

Pensando e agindo positivamente. Parece fácil, mas não é. Por onde olhamos podemos perceber tristeza, dor, decepção, miséria ou simplesmente mau humor. Difícil manter um sorriso no rosto e o brilho no olhar todos os dias ao acordar e, principalmente, manter esse estado de espírito por horas.

Ser uma pessoa positiva faz total diferença e os benefícios aparecem quase que imediatamente, explica o coach Geronimo Theml. Criada nos anos 1990 pelo psicólogo norte-americano Martin Seligman, a Psicologia Positiva foca nos aspectos positivos da vida para que a pessoa cresça e supere fases mais complicadas.

Ao contrário da Psicologia tradicional que foca em traumas e decepções, a Psicologia Positiva estuda emoções positivas e aspectos positivos do caráter da pessoa e de todos os que estão envolvidos no dia a dia, explica Geronimo. E acrescenta: a Psicologia Positiva é totalmente ligada com as práticas do Coaching, mesmo porque foca também nas forças que a pessoa tem, e não nas fraquezas e defeitos.

Para 2018, estabeleça metas positivas. Traçar de forma positiva significa estabelecer uma vida plena e confiante. Nesse sentido, Carneiro explica que metas positivas são aquelas que te levam à ter uma vida significativa, uma vida engajada e uma vida agradável, o que significa dizer que suas metas devem gerar sentido, engajamento e emoções positivas para você.

Por isso a importância de revisitar suas metas e avaliar, inclusive a forma como ela está escrita. Já definiu as suas metas para 2018? Só sonhar e desejar não basta. Ainda dá tempo. E não esqueça: para ser uma meta positiva, ela não deverá te dar a sensação de perda, desconforto ou insatisfação.

A Salutá encerra o ano de 2017 com chave de ouro e em alto astral.

     Em parceria firmada com a Sogipa e também com o Colégio Pastor Dohms, a dentista Márcia de Brito e Cunha, diretora clínica da Salutá – Clínica de Saúde & Bem Estar, passará a atender no próximo ano todas as urgências em crianças relacionadas a traumas dentários ocorridos nas dependências do clube e da escola durante as atividades educacionais  dentro do horário de funcionamento da clínica.

     Da mesma forma, serão beneficiados os participantes do Esporte Verão na Sogipa. Já a partir de março de 2018, serão atendidos os alunos regularmente matriculados no Projeto Criança e no Colégio Pastor Dohms. Em dezembro, a Salutá atendeu duas ocorrências de traumas dentários em crianças dessas instituições.

     A parceria entre Sogipa e Salutá também beneficia os associados e os atletas de alto rendimento do clube. Cinquenta e cinco atletas de alta performance terão acompanhamento odontológico através da realização periódica do CHECK-UP PREVEVENTIVO DIGITAL. A dentista Márcia de Brito e Cunha explica que a respiração bucal, ausência de dentes, bruxismo ou infecções como a gengivite e a periodontite podem afetar o desempenho do atleta já que afetam o organismo como um todo. “A realização periódica do Check-up Preventivo Digital auxilia atletas e amadores na prevenção das doenças bucais ao ressaltar os cuidados diários com a dentição e identificar problemas futuros”.  Leia mais sobre o CHECK-UP PREVEVENTIVO DIGITAL.

     Com foco na prevenção da saúde, a Salutá também disponibiliza profissionais da saúde altamente capacitados em outras áreas da Odontologia como Ortodontia, Periodontia, Implantes, Próteses, Tratamento para Ronco e Apnéia e da Medicina Complementar como Psicologia, Fonoaudiologia, Nutrição, Acupuntura, Quiropraxia, Podologia, entre outras.

 

APRAXIA DA FALA NA INFÂNCIA: O QUE É?

Conteúdo extraído de Apraxia Brasil e Atraso na Fala.

O ato de falar é realmente surpreendente! Falar envolve nosso cérebro, partes da nossa face, da boca, língua, mandíbula, os músculos que estão ao redor destas partes, e os caminhos do cérebro até os músculos. Seguir esses caminhos para descobrir como falar é o grande problema para as crianças com Apraxia.

Apraxia de Fala na Infância é um grave distúrbio motor na fala, de ordem neurológica, que afeta a habilidade da criança em produzir e sequencializar os sons da fala. A criança tem a ideia do que quer comunicar,mas seu cérebro falha ao planejar e programar a sequência de movimentos e gestos motores da mandíbula, dos lábios e da língua para produzir sons para formar sílabas, palavras e frases. Elas não conseguem planejar os movimentos para a fala ocorrer no tempo certo, na ordem certa para que as palavras sejam produzidas.

Uma característica observada nas crianças pequenas é que a sua fala é muito limitada, com pouco repertório, podendo apresentar também fala de difícil compreensão. É sempre importante lembrar, que quando uma criança apresenta um “atraso na fala”, é preciso pensar em vários fatores que podem justificar este atraso e a Apraxia de Fala pode apenas ser um deles. Se você tem dúvidas se o desenvolvimento da fala de seu filho ou filha está adequado, procure ajuda. Busque um diagnóstico correto com um profissional de Fonoaudiologia.

Quais são os sinais? O que uma criança pode apresentar?

• Bebês quietos. Os pais percebem que vocalizam/balbuciam pouco;
• As primeiras palavras como “mamãe” e “papai” aparecem mais tarde (depois de 14 meses)
• A criança com Apraxia, geralmente compreendem tudo o que falamos com ela, mas ela não consegue se expressar bem. Os pais notam uma discrepância entre a compreensão e a recepção;
• Não consegue produzir adequadamente os sons da fala. Fala apenas as vogais ou falam apenas as primeiras sílabas ou ainda, consegue apenas falar os sons mais fáceis como o som o P, do M e os demais não consegue.
• Apresenta dificuldade para imitar palavras e frases (fala apenas sílabas isoladas);
• Apresenta mais facilidade para falar palavras mais curtas, como “oi”, “dá”….porém para palavras mais longas, di ou trissílabas, já não consegue manter a sequência correta de sílabas.
• Tem dificuldade para falar todas as vogais.
• Na alimentação, pode ser confusas e distraídas. Pode colocar a comida na boca e não saber o que fazer com o alimento.
• Pode ter dificuldade para escovar os dentes.
• Os movimentos orais, como colocar a língua para fora, lateralizar a língua dentro e fora da boca, encher as bochechas podem estão alterados. O sopro é fraco tendo dificuldade para encher bexigas, para soprar língua de sogra, entre outras ações.
• A prosódia ou melodia da fala é afetada. Parece falar sempre no mesmo “tom”.
• Pode ter uma coordenação motora global e coordenação motora fina também podem estar prejudicadas: dificuldades em correr, pular, segurar o lápis adequadamente, em atividades manuais e jogos de encaixe, por exemplo.
• Pode ter histórico familiar para atraso na fala.
• Crianças com Apraxia pode ter dificuldades escolares e também podem apresentar dificuldades emocionais: os pais percebem que a criança até tenta falar, mas não consegue e isso pode causar frustração, baixo auto-estima, agressivas e irritadas.