Atividade Física na Melhor Idade: viver mais com saúde e qualidade de vida

Fonte: Grupo Qualidade em Saúde

 

Estamos vivendo cada vez mais. Dados do último censo do IBGE de 2016 afirmam que a expectativa de vida atual do brasileiro é de 75,8 anos. Com ela, cresce a população de idosos no país. Estima-se que até 2025, ela irá corresponder a 12,2% da população.

Se por um lado o mundo moderno nos possibilita mais tempo de vida, por outro tem nos deixado mais preguiçosos, estáticos e negligentes com nossa saúde.

Tecnologias, telas, acesso aos meios de transporte, séries de TV, enfim, diversos fatores colaboram para cultivarmos uma vida sedentária e com ela contabilizamos seus prejuízos, conforme relata o Fisioterapeuta Francis Nassar “(…) o envelhecimento associado a uma vida sem movimento pode prejudicar a saúde, como a diminuição da densidade óssea e aumento da probabilidade de osteoporose e fraturas. As articulações ficam mais rígidas, impactando a mobilidade articular. Outro ponto são as alterações musculares, envolvendo encurtamento. Com tudo isso, existe a perda de coordenação motora, conseqüentemente do equilíbrio, aumentando riscos de lesões.”

Logo, se alcançar a maturidade dos anos é cada vez mais comum, ainda existem desafios neste longo percurso. E o principal deles é conquistar um estado de saúde mais pleno e equilibrado diante das inúmeras transformações que o tempo promove.

“A Atividade Física de forma geral vai ajudar o sistema músculo esquelético melhorando coordenação, equilíbrio e prevenindo quedas, retardando o máximo possível as perdas naturais do processo de envelhecimento”, esclarece Francis.

É neste contexto que a Atividade Física desempenha um papel fundamental, uma oportunidade para conquistar o bem estar, vitalidade e disposição. A Atividade Física é capaz de vencer o perfil estereotipado do idoso rabugento, cansado, a espera do fim dos seus dias. É um caminho para a  redescoberta de inúmeras possibilidades: basta só dar o primeiro passo.

Os Benefícios da Atividade Física na Terceira Idade 

Em primeiro lugar, de forma sistêmica, a Atividade Física promove o bem estar geral, impactando positivamente a qualidade de vida, traz maior independência, integrando tanto os aspectos físicos quanto emocionais.

Os benefícios variam de acordo ao tipo de atividade física. “Caminhadas ajudam a acelerar o metabolismo. A Musculação fortalece e ajuda a recuperar movimentos, trabalhar membros inferiores e superiores…” nos explica Leandro Dantas da Silva,  pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Personal Trainer.

É amplamente reconhecido que a atividade física promove uma evolução sobre pilares estruturais da saúde como maior capacidade de mobilidade, controle da pressão, melhora da capacidade cardiovascular e respiratória e, conseqüentemente, a prevenção e a diminuição do risco de inúmeras doenças, incluindo alguns tipos de câncer. “Os exercícios também devem ser relaxantes, capazes de minimizar o stress e as ansiedades…” completa Leandro.

Para muitos o desfio continua sendo o mesmo: começar. Seguir de fato as recomendações padrões que estamos cansados de ouvir, mas que, a partir de uma determinada idade, não podem mais ser ignoradas.

Mexer o corpo e a mente é uma necessidade fundamental, mas que traz como desafio justamente a incorporação da sua prática na rotina. Pessoas que, muitas vezes passaram anos sem realizar nenhum tipo de atividade física, terão mais dificuldades de incluí-la no seu dia a dia.

Para vencer a resistência, às vezes o suporte de um profissional especializado pode ser a solução. Leandro busca no seu histórico um caminho como incentivo: “gosto de trabalhar de forma mais lúdica, integrada, aliando um trabalho cárdio com exercícios respiratórios” .

Ao falar em Qualidade de Vida para Melhor Idade, devemos ter a clareza de que isso significa promover um estado de saúde longe das doenças, uma vida ativa, de disposição para o trabalho e lazer, capacidade de mobilidade, autonomia e lucidez. A atividade física colaborará de forma sistêmica para promoção de todos estes potenciais benefícios.“Os benefícios são diversos, faz com que o idoso tenha uma perda menor de massa magra, mais qualidade de vida nessa fase” , complementa.

É indiscutível e urgente consolidar essa verdade como uma aliada essencial das pessoas que alcançam a maturidade, uma fase natural de desgaste e de declínio físico e cognitivo já que a atividade física promove benefícios múltiplos. O fisioterapeuta Nassar reforça “(…) manter-se ativo também promove o beneficio emocional, ao trabalhar em grupo, ocupando a cabeça do idoso e sua interação social. Também existe o beneficio hormonal com a liberação de substâncias importantes para o bem estar como adrenalina, noradrenalina, endorfina que irão trazer benefícios para rotina diária”.

Por tudo isso, vale a pena insistir desde que tomando cuidados necessários como alerta o personal trainer Leandro “(…) devemos tomar alguns cuidados, desde os fisiológicos como pressão, freqüência, intensidade, ritmo, entre algumas variáveis, como aspectos do ambiente, como pisos e materiais”. Com esses conselhos anotados, já que mexer-se é o natural do corpo humano, não devemos transformar a atividade física em algo complexo. Se não tiver condições de um acompanhamento especializado, e nenhuma contra indicação médica, uma caminhada, no seu ritmo, de 15 a 30 minutos pode ser um bom começo. Ir gradativamente ganhando fôlego, mais força, passo a passo e, consequentemente conquistando mais qualidade de vida.

Curta a academia e faça o tempo passar mais rápido enquanto malha

Da alimentação do dia a dia ao que entra em seus ouvidos: personal trainer e psicóloga dão 7 dicas para que você aproveite melhor a atividade física

Por Raquel Drehmer – Conteúdo original em M de Mulher

Quem se matricula em uma academia tem plena consciência de que as atividades físicas são importantes para a saúde e vão muito além do emagrecimento ou da diminuição de medidas, pois estimulam o cérebro a produzir e jogar em nosso organismo os hormônios do prazer e do bem-estar (endorfina, serotonina, dopamina e ocitocina). Este é – ou deveria ser – o maior incentivo para se exercitar com frequência.
Mas tem uns dias em que nem todos os argumentos do mundo parecem convincentes, fala a verdade. Só de pensar nos aparelhos já dá vontade de se enfiar debaixo das cobertas (mesmo que esse pensamento ocorra, por exemplo, no meio do horário comercial. E no verão).

A ótima notícia é que existem várias estratégias legais e tranquilamente executáveis para driblar a falta de ânimo que atinge a todas nós em algum momento. A educadora física Andrea Matos, da I AM Personal Trainer, e a psicóloga especializada em esportes Suzy Fleury, da Academia Emocional, dão a seguir sete dicas para acelerar a passagem do tempo e fazer com que você curta muito mais o tempo que investe na academia.

1. Alimente-se bem antes e depois de ir à academia

Uma dica pontual para dar aquele up antes de encarar os aparelhos aeróbicos ou de musculação é comer frutas no caminho para a academia. O açúcar natural delas é totalmente aproveitado pelo corpo e dá a dose extra de energia de que você talvez esteja precisando.
Andrea afirma que uma alimentação adequada potencializa os resultados e mantém o ânimo. A personal trainer é absolutamente contra dietas restritivas para quem se exercita: “Elas diminuem o metabolismo, não ajudam a manter o peso perdido e pioram o humor. Quer dizer, além de tudo, a privação de alimentos ainda acaba com a disposição para malhar”.
2. Aproveite o tempo de forma produtiva enquanto malha…

“Focar o pensamento em alguma coisa que não seja a atividade física faz com que o tempo passe mais rápido”, defende Suzy. Nesse sentido, a psicóloga recomenda que você elabore uma seleção de audiobooks ou vídeos úteis (coisa de trabalho ou de estudos) para ouvir e ver na academia. “Dá para colocar tudo no smartphone e personalizar de forma produtiva esse período. A meta de prestar atenção ao que está nos ouvidos torna a pessoa mais ativa no processo todo, ela até se exercita melhor”, diz.

3. … Ou use o tempo da academia para esvaziar a cabeça com música legal

Mas tudo bem preferir aproveitar os minutos passados na academia para relaxar a mente, não pensar em nada. A saída mais popular para isso todo mundo conhece: ouvir música. De preferência música animada e de que você goste. Nada de seleções feitas por outras pessoas.
ndependentemente do estilo, a batida da música pode aumentar a intensidade e o ritmo dos exercícios e, de quebra, liberar ainda mais endorfinas por você ouvir aquilo que lhe dá prazer.
4. Vista roupas com que você se sinta bem para malhar

Tirando o fato óbvio de que ninguém deve malhar de vestido de festa ou de salto alto, não existe uniforme para frequentar academia. Segundo Andrea, as roupas precisam apenas dar liberdade aos movimentos e respeitar o estilo de cada mulher. “Isso ajuda a elevar a autoestima e melhorar o humor. A sessão de treino fica mais prazerosa e passa mais rápido quando nos sentimos bem”, explica.

5. Pense positivo em relação aos exercícios físicos

Suzy afirma que o emocional equilibrado reflete no físico e tem impacto direto na prática de esportes – por isso, manter uma atitude positiva é, de acordo com a psicóloga, meio caminho andado para que as horas semanais de academia sejam menos cansativas e passem rápido. Andrea complementa: “Pense como você é uma pessoa especial só por ter arranjado um tempinho na sua agenda para fazer exercícios. Esse tempo será desfrutado muito melhor”.

6. Faça amigos na academia

Companhias agradáveis fazem o tempo passar mais rápido em qualquer situação, concorda? No trabalho, na faculdade, no bar e também na academia. Além disso, saber que haverá amigos lhe esperando pode ser um bom incentivo para ir malhar com frequência. Por isso, tenha sua turma de academia, sim. “Mas priorize o treino”, alerta Andrea. “Tente sociabilizar antes de começar os exercícios, nos intervalos entre aparelhos e ao final do treino”.

7. Dê preferência a treinos curtos

Quem já tem aquela predisposição para não gostar de academia deve optar por treinos curtos – de nada adianta seguir todas as dicas acima se o treino montado tiver duas horas interminááááveis. Trabalhe a parte superior do corpo em um dia, a inferior em outro, reserve um dia apenas para os aparelhos aeróbicos (esteira, bicicleta ou transport, por exemplo). “Meia hora de treino intenso é suficiente para promover bons efeitos na mente e no corpo e é até melhor que treinos longos e de baixa intensidade”, finaliza Andrea.