Atividade Física na Melhor Idade: viver mais com saúde e qualidade de vida

Fonte: Grupo Qualidade em Saúde

 

Estamos vivendo cada vez mais. Dados do último censo do IBGE de 2016 afirmam que a expectativa de vida atual do brasileiro é de 75,8 anos. Com ela, cresce a população de idosos no país. Estima-se que até 2025, ela irá corresponder a 12,2% da população.

Se por um lado o mundo moderno nos possibilita mais tempo de vida, por outro tem nos deixado mais preguiçosos, estáticos e negligentes com nossa saúde.

Tecnologias, telas, acesso aos meios de transporte, séries de TV, enfim, diversos fatores colaboram para cultivarmos uma vida sedentária e com ela contabilizamos seus prejuízos, conforme relata o Fisioterapeuta Francis Nassar “(…) o envelhecimento associado a uma vida sem movimento pode prejudicar a saúde, como a diminuição da densidade óssea e aumento da probabilidade de osteoporose e fraturas. As articulações ficam mais rígidas, impactando a mobilidade articular. Outro ponto são as alterações musculares, envolvendo encurtamento. Com tudo isso, existe a perda de coordenação motora, conseqüentemente do equilíbrio, aumentando riscos de lesões.”

Logo, se alcançar a maturidade dos anos é cada vez mais comum, ainda existem desafios neste longo percurso. E o principal deles é conquistar um estado de saúde mais pleno e equilibrado diante das inúmeras transformações que o tempo promove.

“A Atividade Física de forma geral vai ajudar o sistema músculo esquelético melhorando coordenação, equilíbrio e prevenindo quedas, retardando o máximo possível as perdas naturais do processo de envelhecimento”, esclarece Francis.

É neste contexto que a Atividade Física desempenha um papel fundamental, uma oportunidade para conquistar o bem estar, vitalidade e disposição. A Atividade Física é capaz de vencer o perfil estereotipado do idoso rabugento, cansado, a espera do fim dos seus dias. É um caminho para a  redescoberta de inúmeras possibilidades: basta só dar o primeiro passo.

Os Benefícios da Atividade Física na Terceira Idade 

Em primeiro lugar, de forma sistêmica, a Atividade Física promove o bem estar geral, impactando positivamente a qualidade de vida, traz maior independência, integrando tanto os aspectos físicos quanto emocionais.

Os benefícios variam de acordo ao tipo de atividade física. “Caminhadas ajudam a acelerar o metabolismo. A Musculação fortalece e ajuda a recuperar movimentos, trabalhar membros inferiores e superiores…” nos explica Leandro Dantas da Silva,  pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Personal Trainer.

É amplamente reconhecido que a atividade física promove uma evolução sobre pilares estruturais da saúde como maior capacidade de mobilidade, controle da pressão, melhora da capacidade cardiovascular e respiratória e, conseqüentemente, a prevenção e a diminuição do risco de inúmeras doenças, incluindo alguns tipos de câncer. “Os exercícios também devem ser relaxantes, capazes de minimizar o stress e as ansiedades…” completa Leandro.

Para muitos o desfio continua sendo o mesmo: começar. Seguir de fato as recomendações padrões que estamos cansados de ouvir, mas que, a partir de uma determinada idade, não podem mais ser ignoradas.

Mexer o corpo e a mente é uma necessidade fundamental, mas que traz como desafio justamente a incorporação da sua prática na rotina. Pessoas que, muitas vezes passaram anos sem realizar nenhum tipo de atividade física, terão mais dificuldades de incluí-la no seu dia a dia.

Para vencer a resistência, às vezes o suporte de um profissional especializado pode ser a solução. Leandro busca no seu histórico um caminho como incentivo: “gosto de trabalhar de forma mais lúdica, integrada, aliando um trabalho cárdio com exercícios respiratórios” .

Ao falar em Qualidade de Vida para Melhor Idade, devemos ter a clareza de que isso significa promover um estado de saúde longe das doenças, uma vida ativa, de disposição para o trabalho e lazer, capacidade de mobilidade, autonomia e lucidez. A atividade física colaborará de forma sistêmica para promoção de todos estes potenciais benefícios.“Os benefícios são diversos, faz com que o idoso tenha uma perda menor de massa magra, mais qualidade de vida nessa fase” , complementa.

É indiscutível e urgente consolidar essa verdade como uma aliada essencial das pessoas que alcançam a maturidade, uma fase natural de desgaste e de declínio físico e cognitivo já que a atividade física promove benefícios múltiplos. O fisioterapeuta Nassar reforça “(…) manter-se ativo também promove o beneficio emocional, ao trabalhar em grupo, ocupando a cabeça do idoso e sua interação social. Também existe o beneficio hormonal com a liberação de substâncias importantes para o bem estar como adrenalina, noradrenalina, endorfina que irão trazer benefícios para rotina diária”.

Por tudo isso, vale a pena insistir desde que tomando cuidados necessários como alerta o personal trainer Leandro “(…) devemos tomar alguns cuidados, desde os fisiológicos como pressão, freqüência, intensidade, ritmo, entre algumas variáveis, como aspectos do ambiente, como pisos e materiais”. Com esses conselhos anotados, já que mexer-se é o natural do corpo humano, não devemos transformar a atividade física em algo complexo. Se não tiver condições de um acompanhamento especializado, e nenhuma contra indicação médica, uma caminhada, no seu ritmo, de 15 a 30 minutos pode ser um bom começo. Ir gradativamente ganhando fôlego, mais força, passo a passo e, consequentemente conquistando mais qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *